Informação sobre apendicite, causas, sintomas e tratamento da apendicite aguda, identificando o seu diagnóstico e abordando as doenças inflamatórias intestinais, nomeadamente a retocolite ulccerativa e a doença de Crohn, com dicas para sua prevenção.


sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Exame para apendicite aguda

Na apendicite aguda, a presença de pirexia (até 38 ° C) com taquicardia é comum. O exame do abdómen revela sensibilidade localizada e rigidez muscular após a localização da dor na fossa ilíaca direita. Repercussão da sensibilidade está presente, mas não deve ser atingida para evitar angustia ao paciente. Os pacientes muitas vezes acham que o movimento agrava a dor, e se eles forem convidados a tossir, a dor, muitas vezes fica localizada na fossa ilíaca direita. Ao local de sensibilidade máxima, dá-se frequentemente o nome de ponto de McBurney, que fica a dois terços do caminho, ao longo de uma linha traçada a partir do umbigo para a espinha ilíaca ântero-superior. O exame retal e vaginal pode ser normal, embora a sensibilidade do lado direito possa estar presente, principalmente num apêndice pélvico. Sensibilidade no exame retal pode ser sugestiva, mas não é diagnóstico de apendicite. Percussão da sensibilidade, permanência, e ataques de sensibilidade são os achados clínicos mais confiáveis que indicam um diagnóstico de apendicite aguda.
Outras técnicas de exame podem auxiliar no diagnóstico de apendicite e incluem o sinal de Rovsig (palpação da fossa ilíaca esquerda provoca dor na fossa ilíaca direita), sinal trecho psoas e o sinal obturador.

A investigação de especialista raramente é necessária para confirmar o diagnóstico de apendicite aguda, e o diagnóstico é predominantemente clínico. Existe teste de diagnóstico específico para a apendicite, mas o uso criterioso de exames de urina e de sangue simples, particularmente para respostas inflamatórias variáveis, devem permitir a exclusão de outras patologias e fornecer evidências adicionais para apoiar um diagnóstico clínico de apendicite.
Sistemas de pontuação e algoritmos têm sido propostos para auxiliar o diagnóstico de apendicite aguda, mas não têm sido amplamente utilizados. 
Exames radiológicos podem ser utilizados para auxiliar o diagnóstico de apendicite aguda.
Uma meta-análise e uma revisão sistemática sobre o papel da ultra-sonografia e tomografia computadorizada no diagnóstico de apendicite aguda concluíram que estas investigações deverão ser realizadas apenas em pacientes nos quais o diagnóstico clínico e laboratorial de apendicite não puderem ser feitos. Como os estudos de ultra-sonografia são dependentes do operador e precisam de um exame cuidadoso, esses autores também recomendam o uso da tomografia computadorizada em comparação com a ultrassonografia neste grupo de pacientes, uma vez que tem uma maior precisão de diagnóstico.
O impacto da introdução de técnicas de imagem na taxa de apendicectomia negativa não é clara. Um estudo longitudinal sugere que, apesar da introdução da ultra-sonografia e tomografia computadorizada, digitalização das taxas de apendicectomia negativa mantiveram-se inalteradas. A acurácia diagnóstica moderada da ultra-sonografia em tais estudos foi indicada como uma possível razão para isso.
No entanto, dois estudos prospetivos avaliaram o uso da tomografia computadorizada, e ambos mostraram uma diminuição no número de internações e apendicectomias desnecessárias. É importante ressaltar que alguns autores têm destacado o risco de exposição desnecessária à radiação ionizante, causada pelo uso excessivo de tomografia computadorizada, e os protocolos de baixa dosagem têm sido defendidos.

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL